MÃE.

Por Jairo Pereira Filho. Mãe. Quão doce é esse nome que soa como o murmúrio das suaves brisas. E é como brisa suave que ainda nos conduz, ó exemplo de sabedoria. Ante a oração da mãe que se eleva, os piores cataclismos são amainados, Deus ouve e a paz reina. Mãe. Doce maestrina da vida de…

Minha mulher.

Por Jairo Pereira Filho. Tenho-te a toda hora e nem sempre satisfeito… Porquê sempre te quero mais e loucamente, perto de mim! Sou o que te abraça por sob as cobertas e também à distância, todo o tempo amada, minha cúmplice em lúdicos pensamentos que carreiam ápices de intenso prazer. Se nunca enlouqueci é porque…

O Tuca barbeiro, meu tio.

Por Jairo Pereira Filho. Há pessoas que marcam profundamente as nossas vidas e sobre elas falar fica até difícil, pois tantas coisas há que poderíamos relatar, tantas experiências transmitidas e tão vívidas em nossas mentes. Uma dessas figuras excepcionais foi o meu tio Tuca, irmão de mamãe. O Tuca foi o segundo filho da minha…

Homenagem singela às mulheres nesses dia.

Por Jairo Pereira Filho. “Do ventre de uma mulher nasceram todas as gerações da Terra.” – Trecho de uma composição escrita por Vanda Caminotti; não por acaso, minha companheira há trinta anos. A palavra “Humanidade” é um substantivo feminino, remete pois à feminilidade. Também significa, no contexto filosófico, os sentimentos de bondade e/ou compaixão aos…

Singela homenagem aos poetas vivos.

Por Jairo Pereira Filho. O poeta é um inquieto. Sua alma é inquieta, assim também o seu coração. O poeta é o que busca demonstrar ao mundo, através dos seus escritos, que reconhece o sentir de todos, empaticamente; por buscar ansioso abarcar toda a carga emocional produzida por bilhões de seres pensantes, sensíveis à dor…

Poder x Saber.

Por Jairo Pereira Filho. O poderoso não pode comprar a saúde quando o seu corpo já estiver cansado de viver. O sábio pode confortar no sofrimento daqueles que devem partir; gratuitamente. O poderoso não pode comprar a felicidade daqueles que poderiam um dia torná-lo feliz. O sábio pode tornar os outros felizes, sendo apenas feliz;…

Espírito desgarrado.

Por Jairo Pereira Filho. Você me pergunta quem eu sou. Deveria perguntar “o quê” eu sou! Eu sou aquele que pode chamar de “aquilo”. Isso mesmo. Feito humano, de novo sou o que tem veneno no caminho das veias; um desesperado que aprendeu a desprezar tudo que ao espírito contraria, pois eu não sou carne e nem pó! Não…

Revivência

Por Jairo Pereira Filho. A vida passa por nós mais veloz do que a nossa ânsia. É efêmera. Suponho que não deve ser bom morrer. Prefiro a luz da aurora que ilumina todos os caminhos ao ocaso que traz a escuridão… A vida passa tão veloz que quando começamos a gostar dela a danada se vai!…

Quando o capeta não vem…

Por Jairo Pereira Filho. Um dos mais antigos aforismos é esse: “Quando o capeta não vem, manda o secretário.” É verdade! Já pude comprovar isso centenas de vezes. Imagine uma cena meramente ilustrativa: Um bom almoço em família com todo mundo rindo, se confraternizando e, num repente, alguém que não estava ali “por acaso” sai…

Crônica “facebookiana”

Por Jairo Pereira Filho. Cada um de nós sobrevive conforme a sua inata natureza. Uns nasceram extrovertidos que sabem interagir com todo mundo. Outros, os introvertidos compartilham menos, pouco interagindo no campo social. Há ainda uns mais fechados para o mundo e desconheço adjetivo que os posicione. Essa introdução visa apenas questionar algo: Independente de…

As crianças de Lídice

Por Jairo Pereira Filho. Sobre a grama de um belo jardim, oitenta e oito crianças aguardam, por horas a fio, a chegada do carniceiro alemão. Talvez a mais velha nem tenha quinze anos ainda; ela sabe que não haverá baile… Estão tão malvestidas, tão maltrapilhas, que parecem mendigos… Mas, não! Já foram bem servidas pelas…